8 de junho de 2017

Genteee! Hoje vamos falar da pequena Marianny. Ela tem apenas 1 ano e 8 meses e já está internada a 1 ano no hospital. A família já entrou com o pedido de home care que é o pedido de liberação para levar ela para casa, porém a família já teve dois pedidos negados pela justiça, pois é necessário que o Estado do Maranhão providencie os papéis onde constará que eles vão dar todo o suporte para o cuidado dela.

 photo mariame.jpg

Marianny é portadora de uma doença degenerativa atrofia Muscular Espinhal. É uma doença rara, neuromuscular, degenerativa e fatal. Leva a óbito crianças com até 2 anos de idade. Se não utilizar ventilação mecânica ou não invasiva. 

A AME é classificada em 4 tipos, sendo o tipo 1 o mais grave e o tipo 4 mais brando.
Hipotonia, paralisia, arreflexia, amiotrofia e miofasciculação constituem os sinais definidores da AME.

No tipo 1 (caso da Marianny) eles têm dificuldades de sucção, de deglutição e respiratórias, fazendo com que a criança perca a força para mamar e engolir, se alimentando por gastrostomia e respirando por aparelhos. As infecções respiratórias se repetem, sendo a causa do óbito na maioria dos casos.

As crianças necessitam de cuidados 24 horas por dia, precisam de fisioterapia respiratória e motora evitando pneumonias de repetição, deformidades torácicas, contraturas, encurtamentos, atrofiamentos, escoliose etc.

Para minimizar os sintomas da doença, sessões de fonoaudiologia ajudam a deglutiçao, disfagia, mímica da face e terapia de fala.
Necessita ainda de terapia ocupacional o uso de orteses e equipamentos para reabilitação são indispensáveis.
Esse é um resumo sobre a AME, uma doença agressiva e devastadora.

Existe uma chance, uma perspectiva de melhora e de vida.

Hoje nos Estados Unidos existe um medicamento chamado Spinraza-Nusinersen que trouxe o que tem mais de inovador em pesquisas e remédios. 

Spinraza visa corrigir o gene defeituoso que causa a AME.
Crianças que fazem uso deste medicamento, podem sentar, firmar o pescoço, respirar sem ajuda de aparelhos, dirigir sua própria cadeira de rodas, brincar, rolar, fazer desenhos etc.

Ajude a dar uma melhor qualidade de vida para Marianny. Você pode ajudar doando qualquer quantia nas contas abaixo:

Caixa econômica Federal 
Agência:2151
Operação:013
Conta poupança: 52690-7 
Marianny Ribeiro Pacheco 

Bradesco
Agência:1136 
Conta corrente: 11570-3 
Marianny Ribeiro Pacheco




11 de maio de 2017
Causas  

Genteeee! Hoje vou falar sobre o Hospital Uopeccan, que tem um trabalho muito especial. O Hospital Uopeccan é um hospital voltado ao diagnóstico e tratamento do câncer, sendo referência na área infantil. Como eles vivem de doação, é sempre bom divulgar causas tão nobres. Quer um exemplo? Eles tem uma Casa de Apoio que hospeda […]


18 de outubro de 2016
Causas  

Hoje tô aqui pra pedir a ajuda de vocês minhas vaquinhas. A mãe de uma leitora minha está internada com leucemia e está precisando muito de doação de sangue, pode ser qualquer tipo sanguíneo. Então, pra quem puder ajudar, peço a ajuda de vocês para que possamos lutar juntos por essa vida!!! Mesmo que você […]


Causas  

Genteeee hoje eu tô aqui pra pedir ajuda para uma princesinha muito linda chamada Geovana de apenas 10 anos. O seu maior sonho é ver a luz do dia! Ela nasceu com uma doença chamada Síndrome de Mosier, que se dá pela má formação do nervo óptico. Já foi feito uma parte do tratamento, era para […]


Causas  

Genteeeee, quem me acompanhou essa semana nas redes sociais, viu que participei de um ensaio para o calendário solidário de 2017. O objetivo é arrecadar fundos para ajudar nos projetos que a linda da Miriam Gomes realiza. A Miriam é uma pessoa abençoada gente. Pensa em uma pessoa que mesmo com tão pouco ajuda como pode […]


22 de março de 2016
Categoria: Dicas
Dicas
 

Há quase dez anos, eu e meus amigos, que hoje boa parte fazem parte da equipe, começamos fazendo uma campanha aqui na comunidade do Alemão e pelo Twitter pra arrecadar chocolates. #PAZcoaNoAlemão Na primeira vez, a gente só conseguiu uns 80… Mas os anos foram passando e até que em 2014, arrecadarmos mais de 6 […]